quinta-feira, 16 de junho de 2016

Da Roda ao Frio

Me retiro da roda,
pra tapear os buracos.

Desfaço as juras,
já todas rompidas
abraço as ruas
uma última vez.

Sem choro
(é mentira)
o dia se esvai.
Por medo
(é verdade)
o salto não vai.

E se algum dia
alguém, qualquer,
achar essas linhas
me enforquem.

Acabaram-se os dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário